SOODGI | Sobre os ombros de gigantes

Unlearning: desaprender para aprender melhor

Estamos em uma era interconectada que permite o compartilhamento de informações de forma cada vez mais rápida, proporcionando mudanças de padrões e comportamentos em velocidade similar.

Como dissemos no artigo “Como e por que se transformar em uma máquina de ideias”, a divergência entre a velocidade com que a tecnologia se desenvolve e a mente humana opera talvez seja o principal ponto para termos a percepção de que o mundo está mudando rápido demais. Tecnologias podem avançar em escala exponencial, enquanto a mente humana opera a maior parte do tempo de forma linear.

Precisamos constantemente aprender e nos adaptar como nunca visto na história, o que significa mudar a estrutura de pensamentos altamente enraizados biologicamente e culturalmente. Ou seja, precisamos aprender muito, porém simultaneamente precisamos aprender a desaprender para não corrermos o risco de olhar o novo através de conceitos obsoletos.

No livro Powershift, escrito em 1990, o escritor e futurista Alvin Toffler definiu isso bem:

“O analfabeto do século XXI não será aquele que não consegue ler e escrever, mas aquele que não consegue aprender, desaprender e reaprender”

DESAPRENDER PARA APRENDER EM QUAIS SITUAÇÕES?

Dentro do contexto apresentado, o conceito de desaprender para aprender é relacionado principalmente ao ensino e mercado de trabalho, porém pode ser aplicado a vida de maneira geral. Vamos falar um pouco sobre cada um deles:

Ensino

Até aqui possuíamos um modelo educacional adequado para a sociedade industrial, na qual não havia grandes mudanças acontecendo a todo momento. O que se aprendia era suficiente em termos de “empregabilidade”, pois continuava fazendo sentido anos e décadas depois. Agora, vivemos numa época de mudanças onde o estudo é mais constante. O que mais se exige é “trabalhabilidade” — a capacidade de inovar sempre.

Outra característica é que o conhecimento geralmente pertencia a alguém. Você precisava dispor de esforço e dinheiro para buscá-lo. Hoje, por outro lado, a abundância de informações permite que praticamente toda pessoa possa aprender e executar qualquer coisa. Claro, ainda existem as restrições de profissões e atividades regulamentadas, porém a maior parte das atividades e habilidades podem ser aprendidas e misturadas.

Enciclopedia
Conhecimento adquirido através de Enciclopédias

Considerando que o aprendizado é dinâmico, não adianta apenas entulhar conhecimento. Muitas vezes precisamos nos livrar do que não funciona mais.

Empresas e mercado de trabalho:

Gigantes do mercado estão perdendo espaço para empresas menores e mais ágeis. Para os profissionais, não basta apenas aprender a profissão. Existe uma complexidade maior que exige habilidades e comportamentos muitas vezes multidisciplinares para executar o trabalho e conviver em sociedade.

Muitas estratégias e lideranças que se desenvolveram a partir de um modelo mental e funcionaram no passado, podem estar obsoletas e não funcionarem mais como antes.

Outro ponto importante é se compararmos o tempo de trabalho vinculado a uma função/empresa entre a geração atual e as anteriores. O padrão anterior era conseguir um emprego, se especializar em uma função e seguir até a aposentadoria. Já atualmente os cargos (estáticos) estão transitando para funções (fluídas). Além das pessoas mudarem de empresas com uma frequência maior.

Vida no geral:

Desde o nascimento absorvemos conceitos e padrões através dos nossos pais, amigos, professores, religiosos e da sociedade de forma geral, sobre o que é “ser correto”, “ser uma boa pessoa”, “ser bem sucedido” e segue a lista.

Neste ponto, desaprender para aprender é uma forma de mudança de perspectiva sobre coisas que estão obsoletas e/ou não fazem mais sentido para você. Lembre-se que não faz sentido uma autocobrança para se encaixar em um modelo ultrapassado.

.     .     .

Em resumo você aplica o conceito de desaprender quando:

  • Você aprendeu algo que não é mais utilizado: abrir espaço para o novo;
  • Você aprendeu algo em uma ótica que não é mais aceita: deixar de lado preconceitos, julgamentos, etc;
  • Você aprendeu algo estático que agora é mais fluido: se adaptar a uma forma mais interconectada e distribuída no lugar das estruturas centralizadas e de controle.
Yoda-desaprender-para-aprender
“Você deve desaprender o que aprendeu” — Yoda

COMO APLICAR NO DIA A DIA

Se questione

Desenvolva a habilidade de parar e analisar seus padrões, hábitos, crenças, seja lá o que for. Em sua palestra no Ted Talks, o professor Ken Spring, colocou isso bem:

“Você precisa fazer perguntas, apesar do que sua avó lhe disser. Convido você a fazer perguntas. Faça perguntas importantes. Perguntas difíceis. Os tipos de perguntas que tendemos a evitar nas reuniões de família ou nas conversas no local de trabalho. Faça com os ouvidos abertos, com a mente aberta e o coração aberto. Assim como você faz essas perguntas difíceis a outras pessoas, olhe para dentro e pergunte as mesmas coisas” (em tradução livre)

Você já olhou uma foto antiga e se perguntou como teve coragem de se vestir assim? Por que isso não se aplicaria a coisas não materiais?

Reconheça que o velho modelo não é mais efetivo

Ao identificar que existe um ponto divergente com a sua visão de futuro, o próximo passo é se aprofundar no tema e validar ou não as suas novas ideias. Confirmado seu novo ponto de vista, você precisará se convencer reforçando que o velho modelo não é mais efetivo.

No artigo Why the Problem with Learning Is Unlearning (“Por que o problema com aprender é desaprender” em tradução livre), Mark Bonchek fala sobre a dificuldade em reconhecer que o velho modelo não é mais efetivo, pois construímos nossa reputação e carreira com o domínio desses modelos antigos. Abandoná-los pode parecer como recomeçar e perder nosso status, autoridade ou senso de identidade.

“Quanto menos motivos se tem para justificar um hábito, mais difícil costuma ser se livrar dele.” – Mark Twain

Crie um novo modelo, mas saiba que provavelmente não será fácil implantá-lo

O próximo passo será criar um modelo baseado nas experiências e referências que condizem com o seu novo olhar. Porém, quanto mais enraizado o antigo padrão, maior será a dificuldade em alterá-lo.

Para demonstrar como as influências moldam nossas ações de forma inconsciente, assista o vídeo: The backwards brain bicycle: un-doing understanding (“A bicicleta do cérebro invertido: entendimento em queda” em tradução livre). Nele Destin Sandlin realizou um experimento fantástico invertendo a direção da bicicleta. Resultado: Ele, um adulto, levou 8 meses para se adaptar ao novo padrão. Já seu filho, uma criança (com uma plasticidade mental maior), se adaptou em 2 semanas.

bike-invertida-desaprender-aprender
Bicicleta Invertida de Destin Sandlin

Incorpore os novos comportamentos até que se torne um hábito

Ainda segundo Mark Bonchek, esse processo não é diferente de criar um hábito comportamental, como sua dieta por exemplo. A tendência será voltar à velha maneira de pensar e, portanto, à velha maneira de fazer. É útil criar gatilhos que o alertem para qual modelo você está trabalhando.

Seja paciente consigo mesmo. O processo não será de forma linear. O importante é dar os primeiros passos, mesmo que menores, e manter a consistência das ações.

mark-bonchek-frase-soodgi
Instagram: @soodgicom

CONCLUSÃO:

Aprender a desaprender é desenvolver a percepção de identificar padrões não efetivos, criar e manter um modelo que permitirá uma transição mais efetiva para novos conhecimentos, seja para aprender uma nova habilidade, desenvolver sua carreira profissional ou se tornar uma pessoa melhor.

.     .     .

Caso queira falar sobre o artigo você pode utilizar a caixa de comentários mais abaixo. Para receber um aviso por email de novos conteúdos assine a nossa Newsletter

Referências:

Artigo: “Como e por que se transformar em uma máquina de ideias”

Livro: Powershift de Alvin Toffler

Imagem Enciclopédia: Photo by James L.W on Unsplash

Imagem Yoda: Photo by Nadir sYzYgY on Unsplash

Palestra de Ken Spring: Ted Talks

Artigo de Mark Bonchek: Why the Problem with Learning Is Unlearning” 

Vídeo sobre a bicicleta invertida de Destin Sandlin: The backwards brain bicycle: un-doing understanding” 

Comentários:

O Almanaque de Naval Ravikant: Um Guia para Riqueza e Felicidade

O Almanaque de Naval Ravikant é uma coletânea dos melhores pensamentos de Naval Ravikant organizados em um livro por Eric …

A opção de subtrair para obter mais

A sociedade é formada por padrões muito bem definidos. Um deles é que pra sair do ponto A e chegar …

Como e por que se transformar em uma máquina de ideias

Frequentemente vemos e ouvimos comentários sobre como o mundo está mudando cada vez mais rapidamente.

No posts found!

No posts found!

Compartilhe este conteúdo: