SOODGI | Sobre os ombros de gigantes

O Almanaque de Naval Ravikant:
#1 Educação

Esta é uma tradução autorizada de uma seção bônus do Navalmanaque, editada a partir da versão final publicada. Para acessar o artigo original em inglês clique aqui. Para saber mais sobre o projeto e acessar as outras seções bônus veja a introdução aqui.

Educação

A educação gratuita é abundante em toda a Internet.
É o desejo de aprender que é escasso.

Educação Atual

Os super-educados estão em pior situação do que os subeducados, tendo trocado o bom senso pela ilusão de conhecimento.

Qual é o objetivo do nosso sistema de educação atual?

Acho que não há dúvida, é completamente obsoleto. O sistema educacional é um resultado dependente da necessidade de creche. Da necessidade de prisões para homens em idade universitária que, de outra forma, invadiriam a sociedade e causariam muitos estragos. As universidades medievais originais tinham vigias nas torres voltadas para o interior, por exemplo. Era preciso colocar um toque de recolher e trancar os jovens de 18 anos antes que eles saíssem com espadas e punhais e criassem problemas.

A faculdade e as escolas e a maneira como pensamos sobre elas vêm de uma época em que os livros eram raros. O conhecimento era raro. A babá era rara. O crime era comum. A violência era prevalecente. Eu penso que as escolas são apenas subprodutos deste tipo de instituições.

O que importa para as escolas é o desejo de manter as crianças fora das asas dos pais enquanto eles vão trabalhar.

O que mudou desde então que tornou nosso sistema educacional atual obsoleto?

Agora temos a Internet, que é a maior arma do conhecimento jamais criada, completamente interconectada. É muito fácil aprender. A capacidade de aprender, os meios de aprendizagem e as ferramentas de aprendizagem são abundantes e infinitos. É o desejo que é incrivelmente escasso. Acho que, se é apenas aprendizado que você quer, o aprendizado pode ser feito muito mais por conta própria ou pela Internet ou unindo-se através da Internet a grupos com os mesmos interesses.

Antigamente não havia aprendizagem autodidata. Agora, se você realmente tem o desejo de aprender, tudo está na Internet. Você pode ir para a Khan Academy. Você pode ter aulas online no MIT e em Yale. Você pode obter toda a lição de casa e ter interatividade. Você pode ler blogs de pessoas brilhantes. Você pode ler todos estes grandes livros.

Que valor nosso sistema educacional atual oferece, se é que oferece algum?

O único benefício da escola hoje em dia é a socialização. Ela cria socialização porque as crianças querem estar perto de seus pares e querem aprender a operar na sociedade de seus pares.

É claro, você realmente é educado por seus pares.

O que precisa mudar na forma como aprendemos?

Em uma era de Google e smartphones, a memorização é obsoleta. Por que você deveria memorizar a Batalha de Trafalgar? Por que você deveria memorizar qual é a capital desse estado? Ainda colocamos peso indevido nisso, porque foi assim quando vivemos em um mundo pré-Google.

Gosto de pensar que se eu estivesse na escola hoje, minha resposta a muitas perguntas de teste seria “Deixe-me pesquisar no Google para você…”.

O segundo problema é que o sistema educacional atual tem um modelo que se encaixa em todos os modelos. Ele tem que dizer que você tem que aprender X agora, depois você tem que aprender Y.

Tenho certeza de que 90% de vocês vivenciaram isso quando estavam aprendendo matemática. Em algum momento, você estava acompanhando, estava fazendo aritmética, depois estava fazendo geometria, depois trigonometria, pré-cálculo e cálculo.

Em algum lugar lá dentro, você se perdeu. Em algum lugar, enquanto construía este enorme edifício (a estrutura lógica da matemática), você perdeu uma lição. Você perdeu um conceito, apenas algumas aulas, ou seu cérebro não conseguia pensar da maneira específica como algo estava sendo explicado. Deveria ter sido explicado visualmente, mas estava sendo explicado numericamente. Ou deveria ter sido explicada simbolicamente e estava sendo explicada pela cartografia. Você não foi capaz de acompanhar o ritmo.

No momento em que você perde um degrau na escada da matemática, você não pode ir para o próximo. O professor diz: “Terminamos com o pré-cálculo, vamos passar para o cálculo”. Você diz: “Espere, eu não entendi o pré-cálculo. Eu não entendi como o pré-cálculo leva da trigonometria ao cálculo. Perdi toda essa parte”. 

Agora você chega ao cálculo, e não entende os fundamentos. Agora, você está reduzido à memorização. Você fica assim, “DX/DY. Quando eu vejo o símbolo, eu faço isto”. Você perdeu o aprendizado real. Você perdeu a conexão com os princípios subjacentes.

Nós ensinamos cálculo a todos esses garotos e eles saem sem entender nada de cálculo.

O que precisa mudar no que aprendemos?

Creio que aprender deveria ser aprender o básico em todos os campos e aprendê-los muito bem repetidas vezes. A vida é principalmente sobre aplicar o básico e apenas fazer o trabalho avançado nas coisas que você realmente ama e onde você entende o básico de dentro para fora. Não é assim que nosso sistema é construído.  

Em que você se concentraria se estivesse administrando um currículo escolar?

Eu provavelmente otimizaria para felicidade, nutrição e exercício.

Mostre a eles respostas para “Como você constrói bons hábitos”. “Como você quebra os maus hábitos?” “Como você tem bons relacionamentos?” “Como você constrói habilidades básicas?”

Provavelmente, eu os faria administrar uma barraca de limonada ou um pequeno negócio e ganhar dinheiro para que eles possam entender como isso funciona.  Peça-lhes que trabalhem em algo relacionado à caridade, ou os leve para o terceiro mundo e lhes mostre o sofrimento, o verdadeiro sofrimento, para que eles possam obter algum contexto. Eu provavelmente os ensinaria a falar em público, escrever para negócios, persuasão básica. Talvez um pouco de programação em cima da leitura, da escrita e da aritmética.

Eu provavelmente eliminaria pedaços de geografia, história e, honestamente, até mesmo segunda ou terceira linguagem. Música, a menos que eles tivessem inclinações musicais. Sei que isto vai horrorizar algumas pessoas, mas a pergunta é: “O que você enfatiza?”. Inicialmente não é bom educar cada criança em todas as coisas. Você tem que descobrir: “Qual é a aptidão delas?”. [7]

Acho que o problema é que somos excessivamente instruídos de formas estranhas e estamos mal instruídos. [1]

Muita alfabetização na sociedade moderna, mas não numeracia suficiente.

Programar é a nova alfabetização.

Como podemos criar escolas mais eficazes?

“Escolas substituem curiosidade por conformidade”. Isso foi um tweet, @Kpaxs postou e eu o retweetei. Cinco palavras. Eu adoro isso porque é tão curto, apenas cinco palavras. Acho que isso é muito correto.

Quando penso na minha própria educação, muito disso foi: “Sente-se”. “Cale a boca”. “Levante sua mão para ir ao banheiro”. “Não, você deve memorizar isto, mesmo que não faça sentido para você agora”.

Com as crianças, você só tem que alimentar a curiosidade delas. Todas as crianças realmente inteligentes que eu conheço são essencialmente autodidatas, auto aprendizes. Você não pode forçar uma criança a ser auto didata, tudo o que você pode fazer é alimentar a curiosidade dela. Por exemplo, se elas quiserem tocar violão, arrume um violão para elas. Se quiserem largar, larguem. Se quiserem ir a uma aula de futebol, arrume uma aula de futebol para elas. Se não quiserem jogar futebol, não as force a jogar.

Por que a curiosidade é tão importante?

Um dos maiores problemas que tenho com o sistema educacional é que quando as pessoas se formam na faculdade, deixam de aprender. A culpa não é deles; é que todos os anos, todos os meses, lhes dizem: “leiam isto, façam este trabalho de casa, façam este assunto, agora cubram isto”, e lhes é dado enormes quantidades de tempo livre.

Então, de repente, tudo isso é tirado, e muito traumaticamente. Você é jogado no mercado de trabalho e dizem: “Agora levante-se de manhã, você tem que estar acordado às 8, não pode deixar suas mesas até as 6 ou 7, você tem que ralar nisto mesmo se achar que é um absurdo e não está aprendendo nada”.

O ambiente de trabalho implica em muito tempo derrotando seu amor por aprender. (Não que você já tenha tido o amor pela aprendizagem porque na escola era em piloto automático). [2]

Talvez o mito de que os adultos não podem aprender novas habilidades esteja ligado ao mito de que a educação requer uma escolaridade formal.

Passando da educação inicial, o que você pensa do ensino superior, das faculdades e das universidades?

Temos esta ideia herdada: a única maneira de ser educado adequadamente é a universidade.

Na verdade, não sou um grande fã do atual sistema universitário, pelo menos em termos do custo que ele lhe impõe, tanto em termos de custos de oportunidade quanto em termos financeiros. Em troca, você recebe credenciais e uma rede de ex-alunos, mas você gastou quatro anos de sua vida e uma enorme quantidade de dinheiro.

A universidade é sobre filtrar pessoas inteligentes do ruído e credenciá-las para que um empregador possa dizer: “Ah sim, esta pessoa foi para uma boa universidade, eles provavelmente são muito inteligentes”. Eles meio que conseguem aceitação para serem uma classe de elite.

As crianças deveriam tentar conseguir essas coisas por conta própria?

Credenciamento, pelo menos no ambiente de programação, você pode conseguir por conta própria, até certo ponto.

Uma rede de ex-alunos seria um pouco difícil de construir, mas se você puder conseguir um bom estágio ou um bom emprego, você pode querer simplesmente cair logo nisso. Mas, obviamente, isso só se aplica a pessoas excepcionais.

Portanto, se você for para a universidade, a primeira regra é: aprenda coisas que você não pode aprender sozinho. Porque a maioria das coisas você pode aprender por conta própria em casa. [10]

Qual foi sua experiência universitária, e o que você faria diferente se fosse à faculdade hoje?

Fui para Dartmouth, e estudei Ciências da Computação e Economia. Comecei em Física, mas era muito difícil. [42] Depois mudei para Inglês e História. Minhas notas eram fantásticas, era realmente fácil. Eles me disseram que eu deveria ser um professor de Inglês.

A realidade é que eu poderia ter feito isso por diversão. Eu poderia ter lido aqueles livros no meu tempo livre. Não há necessidade de ir à escola para isso. Se você vai para a faculdade, aprenda algo que não pode aprender por conta própria.

O que as pessoas devem aprender hoje na faculdade, que não podem aprender por conta própria?

Para a maioria das pessoas, isso significa matemática, programação, física – são as disciplinas STEM (Science, Technology, Engineering e Mathematics). Significa ter acesso às ferramentas, pessoas, rigor, disciplina e exercícios para aprendê-las bem.

Aprenda matemática, crianças. Falar a linguagem da natureza é o superpoder definitivo.

Agora, se você está no nível em que pode aprender disciplinas STEM por conta própria, então talvez não precise ir para a universidade. Além disso, você não pode obter treinamento médico de alta qualidade por conta própria em seu quintal. Portanto, você tem que ir à escola para alguns, mas é um conjunto bastante restrito de coisas.

Para a maioria você não precisa ir para a escola. Eu adoro filosofia, metade dos livros que estou lendo em qualquer momento são essencialmente livros de filosofia, mas eu não estudaria filosofia na escola. [10]

O que você pensa sobre o movimento “faculdade livre”?

Onde o movimento “faculdade livre” falha é que diferentes graus têm diferentes ROI (Return on Investment). Colocar alguém no caminho errado custa décadas.

Embora eu tenha começado a estudar inglês e história e adore esses tópicos, não acho que o governo deveria ter me subsidiado para estudar inglês e história, porque provavelmente eu não teria sido capaz de pagar meus empréstimos estudantis de volta. Na verdade, eles deveriam estar me encorajando um pouco a pelo menos pegar algo vocacional para meu próprio bem e também para o bem dos contribuintes, para equilibrar essa conta.

Estudamos ciência para aprender como conseguir o que queremos. Estudamos filosofia para saber o que queremos em primeiro lugar.

Você sabe, a aristocracia dos Estados Unidos são as pessoas que frequentaram boas escolas versus as pessoas que não frequentaram. Eles simplesmente tiveram resultados muito diferentes na vida a partir daquele momento.  [1]

O credenciamento é o esquema monopolista subjacente ao sistema universitário.

Dado o valor que tantas pessoas ainda atribuem à obtenção de um diploma universitário, você vê uma alternativa?

Temos que separar o credenciamento de longo prazo da educação. Filtragem, credenciamento e educação são coisas diferentes. Qualquer pessoa deve ser capaz de fazer um teste que prove que é suficientemente bom e receber um selo; não importa se foi para Harvard, se foi para sua escola local, ou se não foi para a escola. Você precisa desse tipo de sistema para emergir. Isso começará a quebrar o problema da universidade.  [1]

Os VCs (investidores de capital de risco), universidades e aceleradoras oferecem mais valor por filtrar e credenciar do que por educar e aconselhar.

1/ Se o objetivo principal da escola era a educação, a Internet deveria torná-la obsoleta. Mas a escola é principalmente uma questão de credenciamento.

2/ As escolas sobrevivem ao comportamento antieducacional (ou seja, de grupo) devido à simbiose entre instituições que emitem e aceitam credenciais.

3/ Os empregadores que procuram as credenciais tradicionais podem arbitrar a lacuna. (A aceleradora de startups) @ycombinator fez bilhões fazendo isso para jovens fundadores.

4/ Quanto mais meritocrática uma indústria, mais rápido ela se afasta da falsa credencial. (Isto é, o MBA e as empresas de tecnologia de ponta).

5/ Uma geração de autodidatas, educada pela Internet e alavancada pela tecnologia, acabará por matar de fome o sistema de educação industrial.

6/ Até lá, somente os estudantes mais desesperados e talentosos darão o salto.

7/ Ainda hoje, o que estudar e como estudar é mais importante do que onde estudar e por quanto tempo.

8/ Os melhores professores estão na Internet. Os melhores livros estão na Internet. Os melhores colegas estão na Internet.

9/ As ferramentas para aprender são abundantes. É o desejo de aprender que é escasso.

10/ As credenciais educacionais são crachás que admitem alguém para a classe de elite. Espere que as elites lutem poderosamente para justificar o sistema atual.

11/ Eventualmente, a maré da Internet e empregadores racionais e interessados em si mesmos criarão e aceitarão credenciais eficientes…

12/ …e limparão nosso obsoleto sistema de educação industrial. [11]

As universidades limitam artificialmente o número de graduados, mantêm os preços das mensalidades altos e fornecem apenas ajuda financeira suficiente para se qualificarem como sem fins lucrativos. Isto permite o modelo de negócios real — lucros sobre doações massivas, rendendo livre de impostos e ganhos muito maiores do que os da mensalidade.

O Futuro da Educação

A Internet irá obsoletar o sistema de educação industrial, assim como está obsoletando todos os outros fornecedores físicos de bens de informação.

Deixe-me fazer um experimento de reflexão:

Suponhamos que todos no mundo tivessem o máximo conhecimento prático. Todos poderiam criar hardware e robôs. Todos poderiam programar, todos poderiam investir dinheiro e todos nós poderíamos fazer matemática. Então, se todos nós tivéssemos o máximo de educação, o que aconteceria?

Eu acho que dentro de cinco anos, os robôs fariam todo o trabalho manual, e todos nós faríamos um trabalho criativo.

Seríamos todos essencialmente ricos. Teríamos descoberto como programar máquinas e usar a tecnologia para fazer tudo o que precisamos fazer, exceto o trabalho criativo. Nesse ponto, cada um de nós estaria promovendo a ciência, a tecnologia e inventando coisas ou fazendo um trabalho criativo para o outro. Há um pequeno número de jogos verdadeiramente de soma zero.

A maioria das coisas que nos interessam: carros, casas, água limpa, viagens aéreas, todas essas coisas não são soma zero, são jogos de soma positiva. Podemos chegar realmente, muito, muito longe com a automação.

Lembre-se, costumávamos viver em uma época em que quase todos eram agricultores. Naquela época, era inimaginável que houvesse uma classe de pessoas que fizesse qualquer outra coisa além da agricultura, exceto por uma camada muito, muito fina da sociedade. Agora, os agricultores são como 1% do mundo desenvolvido. Portanto, obviamente, deixamos isso para trás e já começamos a ver um número muito maior de pessoas em profissões criativas. [47]

É muito mais fácil imaginar a destruição de empregos do que a criação de empregos, por isso até mesmo muitos investidores e trabalhadores da tecnologia acabam sendo quase socialistas. [11]

Acreditar que a tecnologia vai criar desemprego permanente é o mesmo que acreditar que as pessoas não podem ser educadas para construir tecnologia. [11]

A tecnologia torna obsoletos os empregos, mas não há limite superior para o número de empregos tecnológicos em si. Deslocamento temporário, não permanente.

Qual é a habilidade mais importante para as pessoas adquirirem hoje em dia, a fim de maximizar seus conhecimentos práticos?

As pessoas que não são tecnicamente alfabetizadas estão sendo deixadas para trás. Acho que uma das maiores obras de caridade que podemos fazer hoje é descobrir como reeducar as pessoas para que se sintam confortáveis com a tecnologia. O computador é a ferramenta mais poderosa para a criatividade, o mais poderoso multiplicador de forças inventado desde o machado de pedra. E você não precisa da permissão de outro humano para usá-lo.

Algum dia, não ser proficiente com computadores será considerado uma forma de analfabetismo.

Todas as outras ferramentas que inventamos desde então tiveram muito impacto, pois permitem alavancagem às pessoas, como fábricas e prensas de impressão — mas você precisa que outras pessoas lhe deem “permissão” para usar. Com a tecnologia, isso não é verdade.

Como o que você está fazendo com a Angellist se encaixa nesta ideia permitindo às pessoas alavancar a tecnologia como um multiplicador de forças?

Com a AngelList, estou tentando empurrar a bola da tecnologia da melhor maneira que eu sei. A melhor maneira que conheço é ajudando cada grande empreendedor a realizar seu sonho. Não posso fazer isso por todos eles, e não posso fazê-lo manualmente, não é escalável. Mas posso construir uma plataforma, uma infraestrutura e uma comunidade que ajude a levá-los adiante. [47]

A tecnologia não é apenas a coisa que faz a raça humana avançar, mas é a única coisa que alguma vez o fez. Sem tecnologia, somos apenas macacos brincando na sujeira.

A tecnologia é a aplicação do conhecimento para controlar o mundo natural. É o maior motor tanto da prosperidade humana quanto de nossa capacidade de auto-aniquilação. [11]

O aumento do preço do petróleo nos deu o fraturamento hidráulico. O aumento do preço da mão-de-obra não especializada nos dará robôs. A educação é difícil, mas é a única saída.

Para onde vamos a partir daqui?

Tenho que acreditar que podemos mudar o sistema, mas você nunca muda um sistema pegando o que já existe e reestruturando-o. Estou no Vale do Silício e no negócio de tecnologia há tempo suficiente para saber que é melhor mudá-lo apenas criando algo totalmente novo.

Uma ideia fantasiosa que tenho tido é, depois de ter deixado a AngelList ou se eu tiver mais tempo livre, gostaria de criar um sucessor para o Projeto One Laptop. No MIT, Nicholas Negroponte tinha o projeto One Laptop per Child.

Eu vi esta escrita fascinante, talvez tenha sido no The Economist ou em algum lugar. Era uma história sobre como eles deixaram uma caixa cheia de tablets Androids por abrir em um pequeno vilarejo no Paquistão.

Quando voltaram, meses depois, as crianças abriram a caixa. Todos eles descobriram como carregar os tablets. Eles os hackearam. Eles passaram pelo login da administração do usuário. Eles instalaram um monte de aplicativos. Eles estabeleceram uma pequena economia. As crianças mais velhas ensinam as crianças mais novas. Eles estão ensinando suas avós a administrar negócios. Eles estão navegando na web. Eles ensinaram a si mesmos o inglês. Crianças são máquinas de aprendizado. Elas só precisam das ferramentas.

Você tem alguma ideia própria de produto para criar uma alternativa “totalmente nova” para o sistema atual?

Para esse fim, o que eu gostaria de fazer é criar um tablet Android de baixo custo, muito robusto, facilmente alimentado e barato que seja difícil de destruir e basicamente distribuí-lo pelo mundo com aplicativos de aprendizagem pré-integrados para que você possa simplesmente ligar um e ele funcione com você interativamente. Em 30 segundos, ele descobre em que língua você fala, se fala alguma, se a fala é simbólica, e em que nível de aptidão você está. Você é um aluno de segunda, terceira e quinta séries? Claro que varia de acordo com a disciplina. Em seguida, permite que você mergulhe e aprenda tudo o que quiser que tornará sua vida melhor.

Bem no limite de sua competência?

Exatamente. Isso o mantém sempre à beira do limite. Sempre te empurra para o limite. Então, você pode trabalhar em rede com todos os professores do mundo. Qualquer pessoa que queira ser um professor pode contribuir. Não é apenas Salman Khan fazendo a Academia Khan.

Basicamente você pode conectar em rede todos os professores do mundo e todos os alunos do mundo usando tablets e fazer isso no ritmo e no nível em que é essencialmente personalizado para cada criança. Elas aprenderão as coisas que têm um resultado prático em suas vidas. Sei que há uma vantagem na educação em artes liberais de empurrar coisas que as pessoas não querem necessariamente aprender por conta própria, mas elas têm que ter algum desejo por isso. É melhor esperar até que elas pensem que estão prontas e depois dar tudo a elas. Acho que é assim que o aprendizado se mantém. Esse é o tipo de projeto em que eu gostaria de trabalhar, mas não acho que seja solucionável com o sistema escolar atual.

Espero que você tenha uma chance de trabalhar nisso. Acho que isso seria um impacto fenomenal para o mundo.

Eu acho que seria divertido. Estou pensando mais nisto agora, porque tenho um filho pequeno e honestamente não quero mandá-lo para a escola. [4]

Imagine uma escola on-line onde os melhores cientistas dão aulas para um milhão de crianças a custo marginal zero. Acrescente testes rigorosos, diplomas. Adeus faculdade.

Para todos que dizem que a faculdade é sobre conexões e coisas brandas – claro, mas há maneiras de fazer isso sem $200K e 4 anos. [11]

O que seria ensinado na “Universidade Naval”?

A primeira aula que vou ministrar é na verdade sobre escrita persuasiva. A segunda é que vou enviá-los para uma escola de persuasão, como a escola de Dale Carnegie.

Depois, a nutrição. Não que você vá dizer a eles que uma maneira é certa, mas você vai fazê-los cozinhar, você vai fazê-los fazer dieta e ver o que os faz sentir-se bem. Descubram uma nutrição ótima para eles mesmos porque o que é ‘correto’ é muito dogmático, e o alvo se move muito.

A matemática, é claro, mas tem que ser divertida. Virá através da aplicação. Então, faça-os construir instrumentos com física ou brincar no laboratório de química, mas sempre com uma inclinação matemática para ter certeza de que eles entendem a matemática subjacente. Isso é realmente uma coisa muito fundamental.

Exercício físico, mas novamente educação física é encontrar algum esporte que você adora fazer. Aprenda o básico do que constrói músculo, o que constrói velocidade, o que constrói flexibilidade, e assim por diante.

O currículo em falta mais importante nas Universidades – “Evolução Aplicada”.

História, eu simplesmente largaria. Apresente-os ao Google, e dê-lhes alguns livros agradáveis para ler em seu tempo livre. Eu sei que alguém vai ficar bravo com isso. Mas, você tem um tempo finito.

Coisas como história, geografia, até mesmo literatura — você pode ler isso por conta própria. Aqui está uma tonelada de literatura incrível que recomendamos vivamente que você leia em seu tempo livre, quando estiver deitado em um sofá. Assim você lê a literatura, você vai gostar, ao contrário da literatura que eu acabei de enfiar na sua garganta e que você vai odiar. Essas são coisas que são hobbies que as pessoas fazem por diversão, que de alguma forma se transformaram em escola. [73]

A escola ideal ensinaria saúde, riqueza e felicidade.

Seria gratuita, autodidata e disponível para todos.

Mostraria ideias opostas e os estudantes auto verificariam a verdade.

Sem notas, sem testes, sem diplomas — apenas aprendendo.

Na verdade, você já está aqui.

Cuidado com quem você segue.

Hoje existem mais autodidatas brilhantes, graças à Internet, do que em qualquer outra época da história humana.

Rumo a uma nação alfabetizada (Blog Post do site do Naval)

Para reduzir o desemprego, precisamos alavancar.

Não como Wall Street fez, através de dívidas, mas como o Vale do Silício, com ferramentas.

A alavancagem amplia suas ações e aumenta sua produtividade. Você pode conseguir alavancagem:

— mão-de-obra (as pessoas trabalham para você)

— capital (o dinheiro trabalha para você)

— ferramentas (as máquinas trabalham para você)

Estamos tentando ajudar a mão-de-obra. Não temos muito capital. Devemos dar ferramentas para o povo.

Todas as grandes ferramentas modernas de produtividade — a prensa de impressão, a fábrica, o estúdio de cinema — requerem capital e coordenação para serem utilizadas. O computador é a primeira ferramenta desde talvez o machado de pedra, que um indivíduo pode usar para obter uma alavancagem maciça, sem permissão de ninguém mais.

O computador moderno pode ajudar em todos os esforços — mesmo que você não use um computador no trabalho, você logo carregará um smartphone de 50 dólares no bolso. Você está fazendo transações bancárias on-line, aprendendo on-line, comunicando-se on-line. O computador, e agora o smartphone, torna todos mais produtivos.

É por isso que o Vale do Silício não tem pessoas suficientes, quando o resto da nação não tem empregos suficientes.

Agora os computadores são mais simples. Mais ubíquos. Mais baratos. Mais acessíveis.

E podemos ensinar às pessoas como usar computadores, através de computadores, usando ferramentas como ShowMe, CodeAcademy, Bloc, e assim por diante.

Vamos criar a primeira sociedade do mundo, completamente alfabetizada digitalmente. Não uma nação de programadores (talvez algum dia), mas uma nação de pessoas que se sentem confortáveis com a ferramenta mais poderosa já inventada pela humanidade.

Vamos fazer isso rapidamente — treiná-los em três meses do início ao fim. E barato — de graça.

Podemos criar o programa em Stanford, MIT, Berkeley, Harvard, etc. Podemos ensinar proficiência básica — usar aplicativos online como Google Apps, Search, DropBox, Email, Banco Online, Viagens, Encomendas de Suprimentos, etc. Alguma criação básica — crie seu próprio website. Perguntas de pesquisa. Solucione problemas. Aprenda a aprender.

Google, Amazon e Apple nos emprestarão os tablets. As empresas nos pagarão para que as pessoas aprendam a usar seus aplicativos. Um mercado de aplicativos onde as empresas pagam à sociedade para educar a sociedade.

Apple, Square, DropBox, Twitter criaram belas interfaces de software. iPad e Android tornaram o hardware acessível. Hoje, não é apenas barato construir uma empresa. É barato reconstruir uma pessoa.

Vamos criar a primeira sociedade do mundo alfabetizada digitalmente. A força de trabalho mais desejável do mundo. Se isso não gerar emprego, nada o fará. [67]

Há uma demanda ilimitada por grandes programadores. O conjunto de programas úteis e complexos é quase infinito. Isso não vai mudar até que a IA geral chegue. [11]

Quem precisa de Stanford quando nossos filhos crescerão jogando, se socializando e sendo educados em RV (realidade virtual)?

.     .     .

Caso queira falar sobre o artigo você pode utilizar a caixa de comentários mais abaixo. Para receber um aviso por email de novos conteúdos assine a nossa Newsletter

MAIS ARTIGOS DA SEÇÃO NAVALMANQUE

naval ravikant startups

O Almanaque de Naval Ravikant: #2 Startups

Nesta seção Naval fala sobre como as startups podem salvar o mundo, nos trazendo inovações que fazem a humanidade avançar. Ele também traz ideias sobre como criar um produto adequado ao mercado, como formar uma equipe que entregue resultados e...

Ler mais
naval ravikant investimentos

O Almanaque de Naval Ravikant: #3 Investimentos

Nesta seção, Naval, um dos primeiros investidores do Uber e co-fundador da AngelList, a mais conhecida plataforma de investimentos em startups do mundo, fala sobre seus aprendizados ao longo de vários anos investindo em startups e comenta sobre como investir...

Ler mais

Comentários:

Compartilhe este conteúdo: